YOGA E MEDITAÇÃO EM CAMPINAS

19 de mai de 2016

Chakras: Os 7 Principais centros de energia - Parte 2

Por Vanessa Malagó

Nesse artigo nos aprofundaremos um pouco mais nos chakras, detalhando cada um deles. Para ver o artigo introdutório sobre o tema, veja: Chakras e o Caminho Espiritual.

Os principais chakras são Muladahara, Swadisthana, Manipura, Anahata, Vishuddi, Ajna e Sahasrara.  Cada chakra representa um estágio de compreensão do mundo e de si mesmo. Os níveis mais instintivos estão associados ao Muladahara chakra e os mais intuitivos ao Ajna chakra. Sahasrara, apesar de incluído na lista não é propriamente um chakra, pois ele transcende todos eles.

Mencionamos em nosso último artigo, que cada chakra tem uma localização no corpo físico, ainda que ele não faça parte do corpo físico e sim, do sutil. Antes de descrevermos cada chakra e sua localização, propomos a você fazer algumas observações. Quando você sente raiva, por exemplo, onde é que você a sente em seu corpo? E medo? Tristeza? Perceba que diferentes emoções trazem sensações em locais diferentes de seu corpo. Ao investigar onde as sensações são mais intensas, você estará tendo algumas pistas sobre a localização dos chakras.

A concentração nos pontos de localização dos chakras é utilizada durante as práticas de hatha yoga para despertar os chakras. Além da sua localização ao longo da coluna são também utilizados os pontos localizados na parte da frente do corpo, que são como um reflexo dos pontos originais.

Veja a seguir uma descrição sobre os chakras e suas características específicas, que representam a expressão e sentimentos de uma pessoa em cada um desses níveis:

1- Muladahara

Aqui o indivíduo está preocupado exclusivamente em obter segurança pessoal: conseguir alimento, um lugar para morar, dinheiro, etc.

Mula significa raiz e adhara, substrato, suporte. É o substrato básico, o centro de suporte, a raiz fundamental da existência humana individual. É a base na qual uma pessoa pode expressar a si mesma como um ser individual. É também o ponto de partida nas práticas yóguicas para a transformação.

O muladhara chakra se localiza na região do períneo, entre o ânus e a região genital. Sua relação com o corpo denso se dá através do plexo nervoso coccígeo e das glândulas suprarrenais, que segregam a adrenalina. O prana  (energia) regido por este chakra cumpre o papel de apana, cuja função é a eliminação, controlando o funcionamento do aparelho excretor. A faculdade de ação a ele relacionada é a eliminação e a faculdade sensorial associada é o olfato.

Seu elemento é Terra, que possui como qualidades a solidez, a densidade, a estabilidade, a resistência. Quando não há bloqueios ou desequilíbrios nesse chakra o indíviduo sente-se psicologicamente aterrado, seguro, estável, nutrido.

Nesse chakra existe um nó chamado de granthi que amarra o indivíduo ao instinto básico de sobrevivência e aos apegos em relação a prazeres físicos e objetos materiais. Este nó precisa ser afrouxado para o amadurecimento no caminho espiritual.

2- Swadhisthana

Esse chakra está associado à busca por prazeres pessoais, relacionados a alimentos, bebidas, sexo, entre outros. No Muladhara chakra as sensações de prazer são procuradas com o intuito de atender as necessidades de segurança. No Swadhisthana chakra há uma valorização do desfrute do prazer em si mesmo.

Swadhisthana pode ser traduzido como “sua própria morada”. Ele representa nosso inconsciente. Esse princípio do inconsciente presente em Swadhisthana não deve ser considerado como um processo dormente ou inativo. Pelo contrário, trata-se de um processo extremamente poderoso. É ali no inconsciente que estão armazenadas todas as nossas impressões mentais, os samskaras, forças dinâmicas, que impelem a consciência para ação.

Ontem você pode ter tido uma experiência prazerosa ou desagradável. Essa experiência gera uma impressão no seu inconsciente. Mais do que um vestígio passivo da experiência, essa impressão influencia sua consciência no momento presente, determinando seus comportamentos e reações. Os impulsos instintivos sentidos no nível de Swadhisthana emergem das profundezas do inconsciente.

Swadhisthana está localizado no cóccix. A parte da frente do corpo correspondente a esse ponto é o osso púbico, na região genital.  Esse chakra se relaciona com o aspecto denso do corpo através do plexo nervoso do sacro e das glândulas endócrinas sexuais. O prana regido por este chakra cumpre também o papel de apana, cuja função, no caso, é expelir o sêmen do órgão masculino e na mulher, é impulsionar a saída da criança do útero durante o nascimento e também a função de vyana, controlando a circulação dos líquidos e do metabolismo. A faculdade de ação relacionada a ele é o gozo e a reprodução e a faculdade sensorial, o paladar.

Seu elemento é a Água, que possui como qualidades a fluidez, a suavidade e a aderência. Esse chakra é o centro onde a energia sexual e sensual, as paixões e desejos fluem como um grande rio. 

3- Manipura

Mani significa joia e pur, cidade, assim, a palavra manipura pode ser traduzida como a cidade das jóias. Esse chakra é chamado dessa forma por causa da intensidade de energia prânica existente nesse centro. Sem esse chakra nos sentiríamos sem vida e desprovidos de vitalidade. Ele está relacionado ao dinamismo e energia e é o centro da auto-afirmação.  Nesse nível o indivíduo procura promover a si mesmo, seus desejos, suas opiniões. Há um esforço para dominar as situações ou outras pessoas, manipular o mundo conforme os desejos pessoais. Isso pode ser expresso na busca por reconhecimento, riqueza, poder ou respeito.

Ele se localiza na região lombar na altura do umbigo. Sua relação com o corpo denso se dá através do plexo nervoso epigástrico e do pâncreas. O prana regido por este chakra é samana, que tem por função a assimilação, controlando o sistema digestivo. As faculdades de ação e sensoriais a ele relacionados são a locomoção e a visão, respectivamente.

Seu elemento é o Fogo, que tem por qualidades o calor, o brilho, a luminosidade, a transformação. No Manipura chakra esse poder transformador do fogo representa o fogo digestivo, capaz de digerir e assimiliar não só o alimento, mas as experiências da vida.

4- Anahata

Também conhecido como o chakra do coração, por causa de sua localização no centro do peito. O Anahata chakra é a sede das emoções, está associado ao amor e é considerado a morada da alma. Nesse nível, começa-se a aceitar e amar a todos de forma incondicional, compreendendo as pessoas e os objetos do mundo pelo que são com seus defeitos e qualidades. Ele é o ponto intermediário entre os níveis mundanos de existência e os níveis espirituais.

Anahata significa o “som não produzido”. O nome refere-se ao som do coração, que não é produzido como resultado do impacto entre dois objetos, como acontece com a música. É um som que surge do interior.

Sua relação com o corpo denso se dá através do plexo cardíaco e pulmonar e do timo, glândula responsável pelo funcionamento do sistema imunológico. O prana regido por este chakra controla o sistema respiratório e tem por função a absorção de energia. A faculdade de ação associada a ele é a preensão e a faculdade de percepção é o tato.

Seu elemento é o Ar, que tem por qualidades o sutil, a leveza, a mobilidade.
Quando não há bloqueios ou desequilíbrios nesse chakra o individuo respira de forma ampla e livre, é compreensivo, compassivo e sente-se amado e energizado.

Nesse chakra se localiza o segundo granthi, associado ao apego as coisas e pessoas no sentido emocional. Esse nó psíquico, assim, como o outro, localizado no Muladahara chakra, representam obstáculos no caminho espiritual.

5 – Vishuddhi

Vishuddhi significa purificação. É o centro que purifica e harmoniza todos os opostos, onde o indivíduo começa a compreender e experenciar o mundo como um lugar de harmonia e perfeição. Esse chakra é chamado de centro do néctar, pois nesse nível o veneno ou néctar, todas as experiências, boas ou ruins, são vistas como parte de um todo.

O Vishuddhi chakra está localizado na região do pescoço, na direção da garganta (onde se encontra o pomo de Adão) e sua relação com o corpo físico se dá através do plexo laríngeo e da tireoide, glândula que regula o metabolismo. O prana regido por este chakra é o udana, que governa o crescimento do corpo, a habilidade da fala e a auto-expressão. Sua faculdade de ação é a fala e a faculdade sensorial, a audição.

Seu elemento é o Éter ou Espaço, que representa o imensurável, aquele que não apresenta resistência. Está associado à liberdade, à expansão.  Isso se reflete diretamente nas características desse chakra, ligado a criatividade e auto-expressão.  Vishuddhi chakra o centro da consciência, no qual o indivíduo cessa de evitar as más experiências ou buscar boas experiências, tornando-se aberto para todas as experiências. Nesse nível ele para de lutar com a vida e começa a fluir com a corrente da vida.

Estando em equilíbrio, esse chakra permite ao indivíduo se expressar com facilidade e impulsiona sua busca pelo autoconhecimento.

6 – Ajna

A palavra Ajna significa comando.  Esse chakra representa o mais alto centro psíquico no homem.  Ele é conhecido como o terceiro olho, aquele que olha para dentro.

Localiza-se no meio do cérebro. Como essa é uma região difícil de ser sentida, utilizamos nas práticas de yoga o ponto correspondente localizado na parte da frente do corpo, na região entre as sobrancelhas.

Sua relação com o corpo denso se dá através da glândula pineal, produtora da melatonina, substância que regula o sono e os ritmos biológicos. Como seu nome indica, o Ajna chakra rege todas as formas de atuação do prana e coordena todos os meios de ação e de percepção.

Ele é centro da intuição e da sabedoria, que nos permite ver além da mente e das palavras. É o canal através do qual podemos acessar nosso guru interior e desenvolver a sabedoria que vem de uma perspectiva que transcende a dualidade do bem ou mal. A meditação nesse centro desenvolve a intuição e uma profundidade de entendimento a respeito do mundo e de si mesmo.

O desenvolvimento de faculdades extrassensoriais está associado a este chakra. E é aqui que o aspirante espiritual encontra mais um obstáculo em seu caminho. No Ajna chakra encontra-se o terceiro granthi, associado ao apego aos poderes psíquicos.

7- Sahasrara

É conhecido como o “lótus das mil pétalas”. Ele se localiza na topo da cabeça e sua relação com o corpo denso se dá através da glândula pituitária, muitas vezes chamada de a glândula "mestre", uma vez que controla a secreção dos hormônios do corpo.

Segundo Swami Satyananda,  Sahasrara transcende todos os conceitos.Ele não é propriamente um chakra e representa a culminação do yoga, a união da consciência pura com os planos da criação, o discernimento supremo, onde o yogi se liberta de todo o sofrimento.  

A apresentação acima traz uma descrição geral dos chakras, mas é importante ressaltar que somente a prática conduzirá ao real entendimento. Ainda citando Satyananda: “Palavras e símbolos podem apenas indicar a existência dos chakras, mas você deve experimentar os chakras e despertar o potencial da mente por você mesmo.”

Para saber mais, veja algumas referências bibliográficas:

Saraswati, Swami Satyananda – A Systematic Course in the Ancient Tantric Techiniques of Yoga and Kriya, 7th ed.,  Bihar School of Yoga, India, 2013
Saraswati, Swami Satyananda – Kundalini Tantra, 6th ed., Bihar School of Yoga, India, 2003

Veja também o 3o. artigo dessa série: "O despertar dos chakras e a kundalini"