YOGA E MEDITAÇÃO EM CAMPINAS

3 de abr de 2014

Yoga e Menstruação



“Posso praticar invertidas durante o período menstrual?” “Devo fazer outras adaptações a minha prática durante essa fase?” “Que posturas podem ajudar a aliviar as cólicas?” 
Essas são algumas das perguntas que recebo normalmente de minhas alunas.

Esse artigo, o primeiro de uma série de dois, abordando o tema Yoga e Menstruação, discute essas questões e oferece dicas para sua prática pessoal. 


Yoga e Menstruação

Por Vanessa Malagó 

A prática de invertidas durante o período menstrual é algo que divide opiniões. Alguns acreditam que as invertidas devam ser evitadas durante a menstruação, assim como também a prática de posturas mais vigorosas e torções.  Outros acreditam que não há necessidade de fazer grandes alterações na prática durante essa fase. Minha opinião é de que não há uma regra para isso e que cada mulher deve buscar sua própria experiência com a prática.

Para algumas mulheres, o período menstrual é um período de maior recolhimento e que pede um descanso maior. Por outro lado, há mulheres que se sentem bastante energizadas nesse período.  Ao invés de seguir cegamente a uma recomendação, aconselho minhas alunas a experimentarem e a escutar o próprio corpo.

Na minha adolescência costumava sentir cólicas durante o período menstrual. Lembro-me de que diversas vezes eu procurei repousar ou descansar, buscando alívio para as dores, mas aí descobri que o que fazia as cólicas diminuírem era exatamente o contrário.  Em meio às cólicas eu ia para meu treino de vôlei e basquete.  Sofria um pouco no início, mas passado o aquecimento inicial, eu já nem me lembrava do que sentia antes. As cólicas simplesmente desapareciam. Várias alunas já me relataram o mesmo com a prática de ashtanga vinyasa yoga, que é uma prática bastante vigorosa.  Isso não significa que todas as mulheres sentirão igualmente esses efeitos. Como disse antes, é preciso experimentar.


O mesmo é válido para as posturas invertidas. Do ponto de vista científico não há nenhuma pesquisa que indique que as posturas invertidas devam ser evitadas durante a menstruação.Algumas linhas de yoga não recomendam a prática de invertidas durante a menstruação, pois alegam que essas posturas invertem o fluxo. O que se está falando aí não é sobre o fluxo menstrual, mas sobre a capacidade dessas posturas de alterarem o movimento dos vayus, energias internas existentes em todo ser humano, que controlam funções orgânicas do corpo e aspectos energéticos mais profundos. (Para quem quiser saber mais sobre esse assunto, veja: A importância dos cinco vayus no processo evolutivo do yogui). Os vayus se movimentam espontaneamente pelo corpo, mas podem ser controlados através das práticas do yoga. Nesse caso em particular, estamos falando de apana vayu, uma força de ação descendente, que controla todos os movimentos de eliminação, como a menstruação,  as secreções intestinais e urinárias, entre outros. Durante a prática dos asanas e dos pranayamas, nós mudamos a direção do movimento normal dos vayus. Ativamos a força de apana vayu, que normalmente flui para baixo direcionando-a para cima. 

Não apenas as invertidas podem interferir em apana vayu. Há diversas outras posturas que podem trazer efeito sobre ele. O mula bandha, que é uma contração realizada no períneo, também atua na inversão do fluxo de apana vayu. Assim como as invertidas, algumas escolas de yoga, também não recomendam a prática de mula bandha durante o período menstrual. Mas há também opiniões distintas. No livro "Moola Bandha, the master key", de Sri Swami Satyananda Saraswati, diz-se que a prática de mula bandha durante a menstruação, pode ajudar aquelas que normalmente passam por períodos mais dolorosos, aliviando as cólicas. 

Em relação às invertidas, eu costumo praticá-las no período menstrual, mas por períodos pequenos, de dois ou três minutos. O efeito para mim é positivo, pois posturas como a sarvangasana, a halasana ou a viparita karani, ajudam a aliviar dores na regiãos dos ombros, que eu normalmente sinto durante a menstruação. 

Minha recomendação é que você esteja atenta a seu corpo e a seu estado interno e observe como cada postura a afeta . E isso vale não apenas para o período menstrual, mas para a sua prática diária. O que vale para uma pessoa pode não ser igual para outra. Se uma prática vigorosa sem modificações, faz você se sentir bem, então faça-a. Por outro lado, permita-se uma prática mais suave se seu corpo pede por isso. Você só saberá o que realmente funciona ou não quando sentir isso em seu próprio corpo.